quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Perigo




todo tubarão morre,
e não é porque não sabe nadar,
e sim por medo do que vai enfrentar
lá na frente,ele sente que não vai dá,
o mar é frio,e ele já não está mais quente,
pra sobreviver nese mar vil,sem amor que o esquente.
por mais que tente,o tubarão sabe,é impossivel nadar pra trás
quando se tem uma eternidade de peixes por aí pra se correr atrás.



é assim amigos, todo fosfóro se apaga.
as vezes resistes aos ventos mais fortes.
mas não se engane, é inevitavel a morte.


tm

domingo, 27 de setembro de 2009

Dos rascunhos

A poesia nasce pronta
e já nasce
com vontade de ser lida.
não que eu seja contra,
mas é muita letra
pra minha vida..


tm,

...

não que
seja minha meta
e não precisava
ser tema..
mas essa procura
enlouquece o poeta
e persegue o poema.

ainda que tímida
essa procura
me intimida

tem cura
querer só rima
pra minha vida?






mas paro, lembro
não é so isso que procuro
embora eu fique
em cima do muro
procuro muito mais
pro meu futuro,


apesar dessa névoa
e neblina
que repousa aqui
em cima,

há,sim, esperança.
e felicidade à vista.
enquanto ela não chega
deposito minha implicância
nesse meu poema egoísta.



tm


e a felicidade?
já avistei-a e até já dancei com ela.

Você não me viu por aqui

Parto
do princípio
que se
camuflar
é muito mais
do que um mero vício.

é um marco.
eu ter virado
um camaleão
embora seja um saco.
eu e todo mundo
procuramos
aceitação.

porém,
lanço um grito.
e admito:

opaco,
parco
tenho sido um fraco.

não que o mundo seja diferente

ou mereça mais de mim,

mas se eu for igual a essa gente

esse vai ser meu fim.

SIM.

F#

acústica
filha da puta
que não escuta
que tudo é música.


tm

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

equinócio nosso de cada dia

volto

a ser

tudo o que era

na primeira gota

de chuva

que abre a primavera


thiagomonteiro

Vigilantes da poesia

poeta de dieta:

emagrecia
de tudo
que era poesia..


thiagomonteiro

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Pique esconde

Se achar é preciso,
se não a vida
perde a graça.
Mas foi
procurando meu juízo
que descobri
que é
se perdendo
é que se acha.

tm

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

extranhesas

pra que se atingir
e tentar se fazer mal
se, somente se, no rir
que encontramos o bem
afinal.

e a cada alfinetada
falada ou impressa
não me leva a nada
e nem me interessa..


trocando farpas
se foi,
aos beijos e aos tapas,
um amor
cujo sol nunca se pôs

e quebrar o retrato
daquele amor
que hoje se negas..
desculpe-me, mas
cuspir no prato
me parece tão piegas.

tm

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Mário, que Mário?

Eu, agora - que desfecho!
Já nem penso mais em ti...
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?


Obrigado Quintana, por tirar as palavras da minha boca!

domingo, 6 de setembro de 2009

Sequestro

letras que mentem
verso que mata
letras que sentem
verso que lava
desculpe meu bem
mas eu virei refém
das minhas palavras


THIAGOMONTEIRO

hip hip hurra

na bebida
eu encontro minha fuga
nos amores
eu encontro minhas rugas
mal amados, ordinários
sempre imcompletos
talvez por isso
não tenham dado muito certo.
vida de impostos
e de dias nublados
há sim o lado bom
na falta de amor
basta procurá-lo
me acomodei
e admito.
e ninguém percebeu
e nem perceberá.
aqui fica o grito
de quem já se rendeu,
e vive como dá.




thiagomonteiro

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Na cama com as palavras

por fora,transmito
um pouco de mim.
omito,pra não parecer
tão triste assim.
e eu vou rezando
pra que chegue o fim..

muito mais do que se pensa
por dentro desse sorriso
e dessa alegria intensa
há um oco, um pouco
de mim que ficou louco
uma dor sutil e imensa
de quem levou um soco
e tá perdendo sua mãe
pra uma doença..

remédios de alto custo
que se mostram ineficaz
cada passo é um susto
que não se volta atrás.

se deus é justo
e tem quem acredite nisso
peço a ele que desça
e resolva logo isso.


thiagomonteiro

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Desintimidante

timidez que me
alcança
segura minhas pernas
e me puxa as calças
me deixando
nu, no meio da praça.
ora timidez,
não faça mais isso.
eu desde pequeno
arquiteto o seu sumiço.
e você,
como sempre fazia,
insiste
em me fazer companhia
vem à galope
mas basta um gole
para que você diminua
e já não sou eu
que estou nua.
te tiro de mim
a cada virada
você volta pro copo
e eu fico sem nada.
sem timidez
com o meu tic-tac.
você sumiu de vez
e não merece destaque.

lembre-se:
nem sempre
a defesa
é o melhor ataque.




thiagomonteiro

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Prenda-me se for capaz

quando viro meu eu-lirico
me revisito
e me critico
abdico do trono
de soberano
de mim mesmo
vejo minhas falhas
passando a esmo.

assalto minha coragem
antes que eu acorde
com minha metalinguagem
ninguém pode
sou meu maior vilão
e sou meu pior alvo
coração na mão
sempre em dia com meu atraso.

como meu carrasco
viro meu próprio algoz
e eu so mé lasco
quando eu fico a sós.

vejo tudo e caio em mim
lúcido, no meu abrigo
repenso meu caminho

e sigo.

há vida, sim,
fora do meu umbigo.

thiagomonteiro

Leia antes de queimar

copo vazio
cabeça cheia
nadei nadei
e morri na areia.
a vida propõe
um desafio
e eu tomo uma peia.


se você quiser ler, leia.
se não, sem cara feia.
como ja diria leminski
na vida, ninguém paga meia.


e esse blog anda bem "boca-meia."


thiagomonteiro

Lavosier

cada um com seu cada qual
cada qual com seu viés
para o bem e para o mal
sou feito de amor
da cabeça aos pés.

embora a vida
queira me provar o contrário
e a cada despedida
mais e mais eu me encalho
nada é pra sempre,eterno.
amor vai, amor vem.
como um lavosier moderno
amor se converte
em ódio também.

por mais que eu tente
uma hora
o amor vai embora
por mais que pensem
amor não é esmola.
se tem alguém que sente
ou fale agora
cale se para sempre


thiagomonteiro