terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

E hoje interromperam minha picanha para me tirar do sério.
estrelando o classico confronto do jovem versus velho.
o conservadorismo entre a faca e o garfo,
meu guardanapo contendo o gorfo,,
levantei-me para ver se me safo
dessa velhice regada a morfo.

é involuntário o mal estar
- até o mais sábio diria -
enquanto houver no
cardápio hipocrisia.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

terceiridade precoce

o amadurecimento não me cai como uma luva
diante as frivolidades da juventude,
que brinca, sorri, dança , bebe e é
irresponsável por acepção,
ando sério, dirijo sóbrio,
não corro na chuva, faço o que
posso e até o que não pude,
para chegar em casa são.
não tenho em mim a ânsia desses
insanos que não deixam nada para depois
tenho meus apenas 19 anos, mas aparento ter 52.

mas que merda. será isso irreversível?
a vida reserva ainda muitas coisas chatas,
como filas em bancos, documentos em cartórios,
ternos e gravatas e bronzeado de escritório.
casamento sem amor, fim do mês e o aluguel,
conta de luz, décimo terceiro, quem sabe
conhecer a torre eiffel,comprar presente,
tentar ser um marido fiel, comprar carro novo,
ver escolas pros meninos, reclamar com o povo
sobre a redução do salário mínimo. ó ceus.

e só? que que aconteceu com tudo aquilo que sou?
aquela história de sexo drogas e roquenrou?
que caia sobre mim a luz que ilumina
aquele que rasga a camisa e se demite.
por que se a vida adulta é isso,
diga a ela que recuso o convite.

olhei pro meu espelho,
e aceitei meu conselho:
não serei velho,
enquanto, de fato,
não sê-lo.