sábado, 8 de dezembro de 2012

A rotina da fumaça.


 Fumar é uma daquelas coisas que com o passar do tempo caiu na desgraça do povo. Os boletins de saúde, as mortes causadas, o cowboy que fumava e morreu,os filmes hollywoodianos sobre o cigarro e tudo acerca a indústria perversa tabagista já foi virado e revirado pelos ditadores da saúde.Tentam informar há muito tempo que o cigarro não é bom. Isso eu já sabia. Mas mesmo assim eu e mais de um bilhão de pessoas no mundo fumamos. Deve ter algo bom no cigarro.
 Não quero aqui levantar a bandeira do fumo e hastear para vocês, caros colegas. Não me entendam mal. Eu aceito vocês e todas as caras de reprovação, todo o isolamento que se é para fumar hoje em dia. Agora me ouçam. Eu nem sempre fui um fumante compulsivo, mas sempre fui um fumante convicto. Sempre soube o que estava fazendo. Tem toda uma política em ser fumante ou não. No mundo de hoje, fumar é relembrar.
 Mas como assim, você deve estar me perguntando. Sim. É relembrar os tempos antigos, os tempos melhores. É relembrar Humphrey Bogart, Brigitte Bardot com os seus inseparáveis cigarros a cada corte de uma película. É lembrar Truffaut, Godard e sua Nouvelle Vague. Chico, Vinicius e a nossa MPB de bom gosto. Frank Sinatra e Robert Johnson, Janis Joplin e Jim Morrison. E todos os gênios fumantes que esse mundo já teve. É relembrar e comprovar, a despreocupação com o que nos rodeia. A liberdade entre os dedos. 
Fumar hoje em dia não é chique. Fumar hoje em dia não é cool. Fumar hoje não está nos trending toppics do twitter ou coisa igual. Fumar é dessas coisas que já foram gloriosas, mas hoje são perseguidas. Mas nos dias de hoje, fumar é ser rebelde. É nadar contra a corrente, ir contra a tendência que robotiza as pessoas, fumar é ostentar um gosto antigo, como colocar um chapéu panamá ou cultivar aquele bigode. Fumar é escrever poesia nos dias do 140 caracteres. Fumar é escutar jazz nos dias do funk. Fumar é escutar rock de verdade. E não essas bandas coloridas de hoje em dia. Mas eu vou tentar parar. Fumar me dá saudade do que eu não vivi. E isso sim mata.


2010, Thiago Monteiro

domingo, 12 de agosto de 2012

meus dias de poeta acabaram.
sou um fingido, um falastrão,
que sempre gostou de rimar versos pobres
com coração, um metido á besta.
um procrastinador de coisas certas
e fazedor de de coisas tortas,
um avesso á festas que acha alguém se importa,
o que reclama quando a sorte lhe bate à porta,
que se acha tão importante que até faz uma despedida pra um
blog que ninguém visita ou gosta.
um que se acha vinicius e se comporta como
um boêmio, cheio de vícios, como se o fosse melhorar,
lhe dar charme, ignorando realmente aquilo que o vale.

Sem mais entrelinhas e idéias implícitas,
Oh jesus,ilumina a esse menino que não tem renda fixa nem pra pagar a conta de luz.

Abstinência poética

não se faz poesia com linhas brancas.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Esse ou ece.

Se todo mundo adoecesse,
como minha família adoece,
se toda saúde se esquecesse,
como a da minha família se esquece,
o mundo inteiro não viveria em casa,
mas sim no SOS.

Se a gente se valesse,
ainda que, de alguma benesse,
seria de algum interesse,
pois é como a gente se cansasse
de tanto estresse,
e vai esmorecendo-se
aonde ninguém mais permanece,
a gente sabe, que por mais que passe,
nossa genética não favorece

e no meio de diabetes e infartes
ahlzeimer e metátases, na pior das hipóteses,
em nossos insigths, a gente ainda ri e faz arte,
ainda que errante, ainda que errastes,
com excessos que fizestes, doravante
saberemos se passamos nesse teste, nesse embate.

e assim minha família vai desmoronando, se destruindo
e eu, na intenção de fugir do problema,
acabo indo pelo mesmo caminho, sem titubear,
ainda que saiba, que no final, minha maior vingança
vai ser me cuidar.

Thiago Monteiro

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Abre-alas

rotina médica na família
já virou comum,
3 prognósticos ruins
e procurando mais um.
minha família sustenta hospital
com nossas doenças,
quando a gente entra SIS
já nem pede licença!
e ainda assim nossa consulta
atrasa, por mais que o
ambulatório seja nossa
segunda casa.
meu carnaval em hospital
realmente foi um tédio,
meu samba hoje em dia
é feito em caixa de remédio.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

careca
careta
carente


cacete

eu virei um deles.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

fragmentos de uma conversa às 4 e meia da manhã

As vidas e seus truques,
por mais que a decepção me cutuque
não me deixo embasbacar
tô andando no fio da navalha
com o maior cuidado
pra não escorregar

aí eu vejo, todo mundo indo embora
viajando, com o sorriso estampado na cara,
não querendo voltar, e eu aqui, vigiando brasilia,
me certificando de que nada vai mudar.
cacete, tem 3 anos que eu não vejo o mar.

eu gosto da minha cidade, das superquadras,
do eixão, da w3 e da l2. tudo parece lógico,
sem esquinas, só o concreto.
mas isso é que é certo?e depois? e meus planos?
quantas vezes eu vou ter 21 anos?
tá na hora de tirar o relógio, sair da rotina,
entrar em cena, sem dores, sem pena.
nem tudo que não tem solução é um problema.

dê uma chance pra vida, ela tá ai te dando mole.
experimenta, prove, converse.
o medo do desconhecido acaba quando você o conhece


Não deixe os sonhos apenas para o sono, Thiago.

domingo, 22 de janeiro de 2012

season finale (auto-puxão de orelha)

2011 não mereceu retrospectiva,
assim que 2012 entrou, por mais que seja o fim do mundo,
dei 7 pulinhos, uma salva de palmas e gritos de viva.


Já fui defensor ferrenho da minha causa,já chamei todo mundo que se intrometia de gente chata, careta e reacionária.
Até o tiro sair pela culatra..Nunca gostei dos conselhos dos outros, pois pouco envolvidos na situação, davam aquela opinião superficial, cheia de preconceitos sem razão, aquela quadradice e tal, quem são eles para achar que sabem da minha vida?
Mas pudera, nunca gostei de maioria e nem de autoridade, desde quando eu era menor de idade. Por ofício, seguia meu plano e por esporte, me enchia de enganos. Até que a conta do desbunde chegou, e ainda bem que passaram a régua mais cedo. Por isso, vou tentar me dar um conselho, eu, logo eu, thiago , que sei suas fraquezas e pontos fortes, seus erros fartos e raros acertos, mesmo que soe esquizofrênico ou até um distúrbio de personalidade, me escute, que eu sei que quero seu melhor, vá por mim, você anda em falta contigo mesmo.

2011 foi um erro daquele que nao se repete
aquele erro que se faz com classe,
erra mesmo e ninguém se mete,
mas pega toda essa culpa e a abrace.
não adianta colocar no correio e pagar o frete.
ela é sua, caro thiago, nao disfarce, se compromete.

Não tente convencer ninguém com suas
redundantes e copiosas saídas de mestre,
que esse ano você perdeu 360 dias, 3 amores
e dois semestres.
Perdeu amigos mergulhando numa escolha errada,
que voce dizia ser um estilo,
esse ano vc so olhou pro seu umbigo
e no máximo ganhou alguns quilos na balança.
acumulou dividas, saboreou o gosto da derrota,
teve uma experiência de vida que ja deixou muita gente morta.
perdeu dinheiro, tempo, confiança e viu alguma saída na droga
mas o tempo perdido cobra vinganca e ele não se revoga,
que sirva de exemplo,pelo menos, o ano que você quis fazer de si
um roteiro de cinema, contratando para o elenco, todos os tipos
de problemas.

e venhamos e convenhamos, você ja nao é mais criança
universidade não é jardim de infancia,
valha-se do seu intelecto por um segundo
concursos , psicólogo, cortes na mesada, sua mae se descabelando
nao vão funcionar sozinhos, não seja mais um vagabundo.
Você tem quem querer tudo isso, e fazer valer a pena
pra ser alguém no mundo.
20 anos decepcionando pessoas
que continuam nutrindo expectativas,
dê a elas thiago, pelo menos em 2012
alguma coisa que sirva.


a culpa é bonita, enquanto tenta te empurrar para cima,
é feio, porém, achar-se digno de pena, auto-comiseração é um defeito que não tenho,
sou condescendente comigo mesmo, mas não confunda com fazer várias vezes o mesmo erro.
admito ter andado errado, assumo meus erros, meus pecados e não peço perdão por ter feito o que eu fiz,
sou um idiota, mas não sou arrependido, a convicção está sempre nos meus atos, sejam eles legais ou não.
faço tudo que faço por paixão. é nisso que quero acreditar, essa é minha meta, em 2012, me apaixonar pelas coisas certas.

meu reveillon foi uma despedida.