quarta-feira, 15 de maio de 2013

Zé fini la diversão


insistente no erro,
constante no ferro,
tento antes do que posso
perco antes do que quero.
a ré parece ser minha marcha predileta
nada de limites, nada de ser esperto
enquanto houver pôquer na minha vida,
nada vai dar certo.

dos vícios, o mais devastador.
me ilude como o pó,
me inebria como a bira,
me acalma, quando ganha,
feito um trago de maconha.
o poquêr é um, mas tem a força dos três.
como competir com qualquer deles,
se ele é todos de uma vez?

hoje desisto e sei que pode não durar,
um golpe de jogador, palavra vazia para intimidar,
mas a gente se esquece que nem sempre tem carta na mão
e a cada blefe, menos breve se torna a decepção.

terça-feira, 14 de maio de 2013


            Mãe,

Nesse dia nada mais óbvio do que exaltar suas qualidades, te paparicar e falar que você é a melhor mãe do mundo. Isso é o mínimo e não seria suficiente se fosse só por hoje.
Sei que preciso corrigir algumas posturas, sei também que ultimamente nossa convivência não tem sido tão fácil, nossos momentos de vida são bem diferentes pela idade e claro , pela maturidade,  pela perspectiva e pelas preocupações. Você, recentemente, passou por uma cirurgia séria e teve êxito, tudo está favorável para a recuperação, mas não tenho visto sua atitude mudar, por isso nesse Dia das Mães quero que você receba um presente que só você mesmo pode se dar: paz interior.
Emagreça de estresse, esvazie-se de problemas, perca preocupações, elimine dores de cabeça. Cadê a Cristina dançante, a Cristina sorridente, a Cristina brincalhona? Deu lugar à Maria? A Maria ranzinza, cinza, sempre ocupada, sem vontade de cantar uma bela canção? A Maria que não gosta que eu chame ela desse jeito! Bipolaridades à parte, acho que a Cristina repousa aí dentro e tá passando da hora dela acordar.
Dê-se um descanso , saia do celular, levante-se do sofá, seus joelhos já permitem e seu bom humor insiste. Curta seu neto, brinque com o Jarbas, beije seu marido,  dê uma banana aos boletos, passeie a pé, embora os empréstimos (ainda) sejam necessários, o tédio não é.  A conta de remédios é grande, a rotina de médicos é severa, mas a vida não espera, Maria.
Não há tempo melhor de ser feliz do que agora, Vovó, Titia, meu pai, todos vão embora e você não pode evitar isso, aproveite-os, some-se, não é preciso se desgastar quando as coisas não dão certo, todos que te amam, você sabe, estão por perto. Seus cabelos brancos são facultativos, a idade da gente é a idade do nosso espírito. Pare de ver novela e cante mais músicas comigo. 






                                                                        Seu filho,

Thiago